Perfil bacteriano de uroculturas coletadas em pacientes internados na UTI de um Hospital Universitário de Pernambuco
PDF

Palavras-chave

bactérias
infecções
uti
hospital

Resumo

As infecções hospitalares são aquelas adquiridas 48 horas após a admissão hospitalar ou que se manifestam até 3 dias após a alta e que estejam associadas a cuidados em saúde. Este trabalho teve como objetivo analisar o perfil bacteriano de uroculturas coletadas em pacientes internados em um Hospital Universitário. Trata-se de um estudo retrospectivo, descritivo e documental, realizado a partir de planilhas disponibilizadas pelo Laboratório de Análises Clínicas/Setor Microbiologia do Hospital Universitário, provenientes de resultados dos exames realizados no período de janeiro de 2017 a dezembro de 2018. No primeiro ano foram coletadas 242 uroculturas, destas, 12% apresentaram crescimento bacteriano. Em 2018 foram 256, com 15% de positividade. As bactérias mais isoladas foram: Klebsiella pneumoniae, Enterococcus sp., Pseudomonas aeruginosa, Escherichia coli e Acinetobacter baumannii. Klebsiella pneumoniae apresentou resistência a amicacina, imipenem, piperacilia + tazobactam, sendo sensível a linezolida.  O Enterococcus sp. em 2017, foi resistente à ampicilina, ciprofloxacino, vancomicina e nitrofurantoína, porém em 2018 foram sensíveis a estes. A P. aeruginosa foi resistente à ceftazidima, cefepime, imipenem, piperacilina + tazobactam, quinolonas e amicacina e sensível a colistina. A E. coli foi resistente a ampicilina + sulbactam, as quinolonas e sulfametoxazol + trimetoprima, sendo sensível a amoxicilina + clavulonato, nitrofurantoina e piperacilina + tazobactam, cefalosporinas de 2ª geração, aminoglicosídeos e carbapenêmicos. O A. baumannii apresentou resistência para amicacina, gentamicina, imipenem, meropenem, piperacilina + tazobactam e colistina, não apresentando 100% de sensibilidade a nenhum dos antibióticos testados. O conhecimento do perfil bacteriano nas uroculturas é de grande importância, pois poderá nortear o tratamento medicamentoso, contribuindo na desaceleração da seleção de bactérias resistentes.

https://doi.org/10.51909/recis.v1i1.36
PDF

Referências

Edwardson S, Cairns C. Nosocomial infections in the ICU. Anaesthesia & Intensive Care Medicine. 2019;20(1):14-8.https://doi.org/10.1016/j.mpaic.2018.11.004

Babady NE. Hospital-Associated Infections. Microbiol Spectr. 2016;4(3). https://doi.org/10.1128/microbiolspec.DMIH2-0003-2015

Ana LF-M, Jennifer NW, Michael C, Scott JH. Urinary tract infections: epidemiology, mechanisms of infection and treatment options. Nature Reviews Microbiology. 2015;13(5). https://doi.org/10.1038/nrmicro3432

Cortese YJ, Wagner VE, Tierney M, Devine D, Fogarty A. Review of Catheter- Associated Urinary Tract Infections and Urinary Tract Models. Journalof healthcare engineering. 2018;2018:2986742. https://doi.org/10.1155/2018/2986742

Siqueira CCM, Guimarães AC, Mata TFD, Pratte-Santos R, Raymundo NLS, Dias CF, et al. Prevalence and antimicrobial susceptibility profile of microorganisms in a university hospital from Vitória (ES), Brazil. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial. 2018;54(2):76-82. http://dx.doi.org/10.5935/16762444.20180014

Spitia JDC, Machado-Alba JE, Idarraga SG, Gutierrez MG, León NR, Gallego JJR. Etiolog y and antimicrobial resistance profile in patients with urinary infection Etiología y perfil de resistencia antimicrobiana en pacientes coninfección urinaria. Infectio. 2019;23(1):45-51. http://dx.doi.org/10.22354/in.v23i1.755

Mota FSD, Oliveira HAD, Souto RCF. Perfil e prevalência de resistência aos antimicrobianos de bactérias Gram-negativas isoladas de pacientes de uma unidade de terapia intensiva. RBAC. 2018; 50(3): 270-7. http://dx.doi.org/10.21877/24483877.201800740

Jessica MAB, Mark AW, Alison JB, David OO, Laura JVP. Molecular mechanisms of antibiotic resistance. Nature Reviews Microbiology. 2014;70(2). https://doi.org/10.1038/nrmicro3380

Ruppe E, Woerther P-L, Barbier F. Mechanisms of antimicrobial resistance in Gram-negative bacilli. AnnalsofIntensiveCare. 2015;5(1):1-15. https://doi.org/10.1186/s136130150061-0

Figueredo RAM, Oliveira JT, Silva AMTC. Enterococcus resistente à vancomicina: uma preocupação em expansão no ambiente hospitalar. J Infect Control 2017; 6(1):11-15. Disponível em <https://jicabih.com.br/index.php/jic/article/view/160 >

Mendes RE, Castanheira M, Pignatari AC, et al. Metalo-beta-lactamases. Jornal brasileiro de patologia e medicina laboratorial 2006; 42(2):103-13. https://doi.org/10.1590/S167624442006000200007

Ochoa SA, López-Montiel F, Escalona G, et al. Pathogenic characteristics of Pseudomonas aeruginosa strains resistant to carbapenems associated with bio film formation. Boletin Medico del Hospital Infantil de Mexico 2013; 70(2), 138-150. Disponível em: <https://www.medigraphic.com/cgibin/new/resumenI.cgi?IDARTICULO=41588>

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Revista de Ensino, Ciência e Inovação em Saúde