Diretrizes para os autores

A Revista de Ensino, Ciência e Inovação em Saúde tem apoio do Hospital Universitário da Universidade Federal do Vale do São Francisco. Desta forma, esse periódico não cobra taxas para publicação.

Os trabalhos enviados devem ser originais, isto é, não terem sido publicados e nem estar em análise, em outro periódico.

Para a submissão dos artigos, é necessário cumprir todas etapas preconizadas:

  1. Etapa: Seleção dos artigos segundo critérios de relevância e adequação às diretrizes editoriais:
    • Línguas: Serão aceitos trabalhos redigidos em português, inglês ou espanhol.
    • Responsabilidade ética: Os autores são responsáveis pelo conteúdo dos artigos, inclusive do ponto de vista ético e de originalidade do texto e os direitos autorais devem ser cedidos à RECIS.

Todos os artigos envolvendo estudos com humanos ou animais devem ter a aprovação e autorização dos Comitês de Ética em Pesquisa em Seres Humanos ou em Animais da(s) instituição(ões) à(s) qual(is) o(s) autor(s) pertence(m).

  • Plágio: Os manuscritos são submetidos a uma avaliação utilizando um programa específico para detecção de plagiarismo e, em caso de confirmação, será recusado e os autores serão notificados de que o manuscrito não será aceito.
  1. Tipos de Colaborações Aceitas pela Revista:

2.1 Artigos Originais: Apresentam, geralmente, estudos teóricos ou práticos referentes à pesquisa e desenvolvimento que atingiram resultados conclusivos significativos. As publicações de caráter científico devem conter os seguintes tópicos: Título (Português e Inglês ou Espanhol e Inglês); Resumo; Palavras-chave; Abstract, Keywords, Introdução, Material e Métodos, Resultados, Discussão, Conclusão, Agradecimentos (quando necessários) e Referências. Os agradecimentos devem aparecer antes das referências. Os artigos referentes à estudos com seres humanos ou animais devem conter o número do parecer favorável do Comitê de Ética em Pesquisa. Máximo de 3.000 a 3.500 palavras.

2.2 Artigos de Revisão: Apresentam um breve resumo de trabalhos existentes, seguidos de uma avaliação das novas idéias, métodos, resultados e conclusões, e uma bibliografia relacionando as publicações significativas sobre o assunto. Devem conter os seguintes tópicos: Título (Português ou Espanhol e Inglês), Resumo, Palavras-chave, Abstract, Keywords, Introdução, Desenvolvimento, Conclusão e Referências. Máximo de 3.500 a 4.000 palavras.

2.3 Casos Clínicos: Apresentam a descrição de casos clínicos, seguido de avaliação dos procedimentos, métodos, resultados e conclusões, e uma bibliografia relacionando as publicações significativas sobre o assunto. Devem conter os seguintes tópicos: Título (Português ou Espanhol e Inglês), Resumo, Palavras-chave, Abstract, Key words, Introdução, Relato e desenvolvimento do caso, Conclusão e Referências. Máximo de 1.500 a 2.500 palavras.

2.4 Nota Científica:  Apresentam, de forma simplificada, estudos teóricos ou práticos referentes à pesquisa e desenvolvimento que atingiram resultados conclusivos significativos. Deverá conter os seguintes tópicos: TítuloResumoPalavras-chaveAbstractKeywords; Texto (sem subdivisão, porém com IntroduçãoMaterial e MétodosResultados e Discussão (podendo conter Tabelas ou Figuras)ConclusãoAgradecimentos Referências.Os agradecimentos devem aparecer antes das referências. Máximo de 1.500 palavras.

2.5 Relatos de Experiências: descrição de experiências acadêmicas, assistenciais ou de extensão, com máximo de 1.500 a 2.500 palavras, que aportem contribuições significativas para a área. Deve conter 1. Introdução, 2. Objetivos, 3. Relato de experiência, 4. Reflexão sobre a experiencia e 5. Conclusões ou Recomendações.

2.6 Estudos de Protocolos: Os artigos de protocolo de estudo geralmente serão considerados apenas para estudos propostos ou em andamento que não tenham concluído o recrutamento de participantes no momento da submissão. Os ensaios  informam que os protocolos do estudo são submetidos bem antes da conclusão do recrutamento; no entanto, também iremos considerar os protocolos do estudo enviados antes do último paciente / última consulta. Isso, incluindo uma explicação de por que não foi possível enviar antes, deve ser incluído no texto do manuscrito. Máximo de 2.500 a 3.000 palavras

2.7 Imagens em Saúde: Será constituído do relato do caso, disussão e as referências bibliográficas. Máximo de 1.500 a 2.500 palavras

2.8 Carta ao editor: possui basicamente duas funções: 1) servir de Opiniões e comentários sobre um artigo específico publicado nos últimos números da Revista; 2) servir de espaço para que autores possam apresentar resultados preliminares de suas próprias pesquisas ou sobre temas de relevância científica de interesse à comunidade tais como a descrição de riscos à saúde pública ou avanços em uma nova área da ciência. deverá ser contituída de Introdução, discussão e conclusão. Máximo de 750 palavras.

2.9 Ensaios Pictóricos: seu objetivo principal é a demostração através de imagens os temas apresentados. O texto deverá ter no máximo 1500 palavras. O tatal de ilustração não deve exceder 20.

Obs: a contagem de palavras dar-se-á da Introdução ao fim da Conclusão, excluindo-se as referências e quaisquer figuras/tabelas.

  1. Estrutura do manuscrito

3.1 Preparação de originais: Artigos originais, relatos de casos clínicos, notas científicas, revisões sistemáticas ou revisão de literatura tradicional devem ser encaminhados, exclusivamente, via online, editados nos idiomas inglês, português ou espanhol.

O trabalho deverá ser digitado em tamanho A4 (210 x 297 mm), com margens ajustadas em 2cm (superior, inferior, esquerda e direita). O texto propriamente dito deve ser dividido em duas colunas, com espaçamento simples entre linhas, recuo de 1,25 cm no início de cada parágrafo e fonte Times New Roman tamanho 11.

O manuscrito deve ser submetido seguindo o modelo da Revista de Ciências e Inovação Tecnológica. 

3.2 A apresentação dos trabalhos deve seguir a seguinte ordem:

3.2.1 Título em português / Título em inglês: Fonte Times New Roman, Centralizado, Tamanho 14, Negrito. Ambos em caixa baixa e espaçamento simples.

3.2.2 Autores: Em ordem de relevância, orientador no final. Fonte Times New Roman, Tamanho 12, Negrito, Centralizado. No máximo 10 autores por trabaho científico.

Devido à importância de identificar com precisão a autoria, aconselhamos a garantir que o autor correspondente e a ordem dos autores estejam corretos no envio.

 O DOI é gerado a partir dos dados informados pelo autor que realizou a submissão do manuscrito, portanto, atente para a sequência dos nomes dos autores ao fazerem a submissão do manuscrito. A adição ou exclusão de autores durante os estágios de revisão será realizada somente em alguns casos, mediante justificativa detalhada e plausível. Ressaltamos, ainda, que as alterações de autoria não podem ser feitas após a aceitação de um manuscrito.

3.2.3 Filiação:Universidades, faculdades ou instituições de cada autor. Representados por números 1, 2.... Centralizado, Letra Times New Roman tamanho 11.

3.2.4 E-mail para contato:e-mail do autor principal. Fonte Times New Roman, Tamanho 11, centralizado.

3.2.5 Resumo: em português(máximo de 250 palavras), seguido de “Palavras-chave”. Abstract: versão traduzida para o inglês, deverá ser fidedigna ao resumo, seguido de “Keywords”. Para ambos:espaço simples, fonte Times New Roman tamanho 10 e alinhamento justificado. Para todos os artigos indiqueno mínimo três e no máximo cinco palavras-chave, com a respectiva versão em inglês, recomenda-se a utilização do DeCS – Descritores em Ciência da Saúde da Bireme, disponível em http://decs.bvs.br/. Quando o trabalho for escrito em inglês, ele deverá conter o resumo em portguês também.

3.2.6 Texto propriamente dito: Deve ser escrito em 2 colunas contendo, espaçamento 1.0, fonte Times New Roman tamanho 11, justificado. Deve ser composto por: INTRODUÇÃO, MATERIAL E MÉTODOS, RESULTADOS, DISCUSSÃO, CONCLUSÃO, AGRADECIMENTOS (opcional) e REFERÊNCIAS. Os títulos das sessões devem estar em negrito, caixa alta, fonte 12 e os subtítulos (quando existirem) devem estar em itálico.

3.2.7 Figuras, gráficos e tabelas: Devem ser sequências mencionadas no texto, com legenda abaixo para as figuras e gráficos e acima para as tabelas e quadros.

  • Legendas: fonteTimes New Roman, tamanho 11. Seguir numeração (Ex. Figura 1,Figura 2, Tabela 1, Tabela 2...). A palavra “figura” quando citada no texto, por exemplo, em início de frase deverá ser escrita com letra maiúscula, exemplo: (Na Figura 1...), e em final do parágrafo deverá estar em parênteses, exemplo: (Figura 1).
  • Tabelas:Devem ser numeradas, consecutivamente, com algarismos arábicos. Tabelas (dados numéricos) não devem ser fechadas por linhas laterais. As respectivas legendas devem ser claras, concisas e sem abreviaturas.
  • Gráficos: Apresentados em barras ou linhas, encaminhados em formato DOC, fotos ou outras figuras deverão ser digitalizadas com resolução mínima de 300 DPI, em formato DOC.

Todos os gráficos e as figuras deverão, obrigatoriamente, estar no corpo do texto. Títulos e legendas das ilustrações, devidamente numerados, devem estar no arquivo de texto.

Cópias ou reproduções de outras publicações serão permitidas apenas mediante a anexação de autorização expressa da editora ou do autor do artigo de origem.

3.2.8 Referências: A Revista de Ensino, Ciência e Inovação em Saúde adota as "Normas de Vancouver", disponíveis em http://www.icmje.org

No texto, as citações são obrigatórias e devem ser apresentadas em números arábicos sobrescritos e sem parênteses, sendo separados por vírgulas no caso de números sequenciais de referências (ex: 1,2,6) ou separados por hífen no caso de intervalo de citações sequenciais (ex: 1-6).

Deve-se evitar a citação do nome do autor destacada no texto.

As referências devem ser numeradas de forma consecutiva de acordo com a ordem em que forem sendo citadas no texto; cada referência deve conter até o nome dos três primeiros autores, seguido de et al. para os outros.

Não se recomenda a citação de trabalho não publicado ou apresentado em eventos científicos. Referências com mais de cinco anos, de livros texto e resumo de congressos, devem limitar-se às que são fundamentais.

Quando a citação for de artigo já aceito para publicação, incluir “em processo de publicação”, indicando a revista e o ano. Comunicações pessoais não são aceitas.

A exatidão das referências constantes na listagem e a correta citação no texto são de exclusiva responsabilidade dos autores.

Incluir referências acessíveis aos leitores.

Cabe aos autores a responsabilidade de informar nas referências bibliográficas o Doi de todas as referências que o apresentarem.


        Ex.: Almeida MF, Facchini LA, Portela LE. EDITORIAL. RevBrasEpidemiol 2012; 15 (4): 691-693. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2012000400001.
Observe alguns exemplos:

Artigos de periódicos

Souza AW, Potter RF, Walace M, et al. Spatiotemporal dynamics ofmultidrugresistant bactéria onintensivecareunit surfaces. Nat Commun 2019;10(1): 4569. http://dx.doi.org/10.1038/s41467-019-12563-1

Neciosup E, Vergara M, Pairazamán O, et al. Cobre antimicrobiano contra patógenos intra hospitalários enPerú. AnalesFac de Med do Perú 2015;76(1):9-13. http://dx.doi.org/10.15381/anales.v76i1.11069
Volume com suplemento

Geerts WH, Pineo GF, Heit JA, et al. Preventionofvenousthromboembolism: theSeventh ACCP Conference. Chest 2004;126(Suppl 3):338S-40.

Número com suplemento
Malta DC, Leal MC, Costa MFL, Morais Neto OL. Inquéritos nacionais de saúde: experiência acumulada e proposta para o inquérito de saúde brasileiro. RevBrasEpidemiol 2008; 11 (2 Supl 1):159-67.

Em fase de impressão

Freitas LRS, Garcia LP. Evolução da prevalência do diabetes e diabetes associado à hipertensão arterial no Brasil: análise das pesquisas nacionais por amostra de domicílios, 1998, 2003 e 2008. EpidemiolServSaude No prelo 2012.

Livros

Autor/es.Título do livro. Edição. Lugar de publicação: Editorial; ano. Neste caso, não é necessário especificar a primeira edição, apenas da segunda em diante. A edição sempre se põe em números arábicos e abreviatura: 2ª ed. Se a obra estivesse composta por mais de um volume, devemos citá-lo a seguir do título do livro: Vol. 3.

Exemplo:

Coura JR. Dinâmica das Doenças Infecciosas e Parasitárias. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2013.

Autoria institucional

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Hepatite B e Coinfecções. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.

Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Manual de Higienização das Mãos, Segurança dos Pacientes. Brasília: ANVISA, 2019.

Capítulos de livros

• Quando o autor do capítulo não é o mesmo do livro:

Lachmann B, van Daal GJ. Adultrespiratorydistresssyndrome: animal models, In: Robertson B, van GoldeLMG, (editors). Pulmonarysurfactant. 2nd ed. Amsterdam: Elsevier; 1992. p. 635-63

• Quando o autor do livro é o mesmo do capítulo:

Löwy I. Vírus, mosquitos e modernidade: a febre amarela no Brasil entre ciência e política. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2006. Capítulo 5, Estilos de controle: mosquitos, vírus e humanos; p. 249-315.

Anais de congresso

  • Publicados em livros:

Samad SA, Silva EMK. Perdas de vacinas: razões e prevalência em quatro unidades federadas do Brasil. In: Anais da 11ª Expoepi: Mostra Nacional de Experiências Bem-Sucedidas em Epidemiologia, Prevenção e Controle de Doenças; 2011 31 out - 3 nov; Brasília, Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. p. 142.

• Publicados em periódicos:

Oliveira DMC, Montoni V. Situação epidemiológica da leishmaniose visceral no Estado de Alagoas – 2002. In: 19ª Reunião Anual de Pesquisa Aplicada em Doença de Chagas; 7ª Reunião Anual de Pesquisa Aplicada em Leishmanioses. 2003 out 24-26; Uberaba. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical; 2003. p. 21-2. (Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, vol. 36, supl. 2).

Portarias e Leis

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 116, de 11 de fevereiro de 2009. Regulamenta a coleta de dados, fluxo e periodicidade de envio das informações sobre óbitos e nascidos vivos para os Sistemas de Informações em Saúde sob gestão da Secretaria de Vigilância em Saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 2009 fev 12; Seção 1:37.

Brasil. Casa Civil. Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a Regulamentação do Exercícioda Enfermagem e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde; 1986.

Documentos eletrônicos

Tacconelli E, Carrara E, Salvodi A, et al. Discovery, research, anddevelopmentof new antibiotics: the WHO prioritylistofantibiotic-resistant bactéria andtuberculosis. Lancet InfectDis [internet]. 2018 [citado 2020 Jan 05]; 18(3):318–327. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29276051

Dubler S, Lenz M, Zimmermann S, et al. Does vancomycinresistanceincreasemortality in Enterococcusfaeciumbacteraemiaafterorthotopiclivertransplantation ? a retrospectivestudy. AntimicrobResistInfectControl [internet]. 2020 [citado 2020 fev 10]; 9(22):2-10. Disponível em: https://aricjournal.biomedcentral.com/track/pdf/10.1186/s13756-020-0683-3

Ayatollahi AA, Amini A, Rhaimi S, et al. Prevalenceofgram-negativebacilliisolatedfromtheequipmentand surfaces in hospital wardsofgolestanprovince, northof Iran. Eur J MicrobiolandImmunol [internet]. 2017 [citado 2020 Jan 24]; 7(4):261–6. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5793694/

Teses e dissertações

Rigatti F. Detecção da Resistência à Oxacilina e Perfil de Sensibilidade de Staphylococcus Coagulase Negativos Isolados em um Hospital Escola [dissertação]. Santa Maria (RS): Universidade Federal de Santa Maria, 2010.

Ferreira LFS. Tratamento das infecções multirresistentes causadas pelo complexo Acinetobacter baumannii utilizando antimicrobianos alternativos e novas combinações - Uma revisão da literatura [trabalho de conclusão de curso].Natal (RN): Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2019.

Artigo com errata publicado:

Síndrome compartimental abdominal. RevBrasClinMed 2009:7(5):313-321. [errata em: RevBrasClinMed 2009; 7 (6): 360].

Uso de recursos digitais:

Texto em formato DOC (padrão Winword); gráficos em barras ou linhas deverão ser encaminhados em formato DOC, fotos ou outras figuras deverão ser digitalizadas com resolução mínima de 300 DPI, em formato DOC. Todos os gráficos e as figuras deverão, obrigatoriamente, estar no corpo do texto. Títulos e legendas das ilustrações, devidamente numerados, devem estar no arquivo de texto. Cópias ou reproduções deoutras publicações serão permitidas apenas mediante a anexação de autorização expressa da editora ou do autor do artigo de origem.

Termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE):

Os pacientes têm direito à privacidade que não deve ser infringida, sem consentimento livre e esclarecido.A identificação de informação, incluindo iniciais dos nomes dos pacientes, número de registro do hospital,não deve ser publicada através de descrições no texto, fotografias ou qualquer outra modalidade,a menos que ela seja essencial para os propósitos científicos e o paciente (ou responsável) forneça oTCLE por escrito para publicação. O TCLE para esta finalidade exige que o paciente veja o manuscrito que
será publicado.

Considerações Éticas

Ao relatar experimentos com seres humanos, indique se os procedimentos seguidos estão de acordo com os padrões éticos do Comitê responsável pela experimentação humana (institucional ou regional) e com as recomendações da resolução do Conselho Nacional de Saúde 466/2012. O autor tem a responsabilidade de incluir, como documento suplementar, o parecer do comitê de ética reconhecido pelo CNS – Conselho Nacional de Saúde - para estudos de experimentação humana e animal;

Registro de ensaio clínico:

Ensaios clínicos deverão ser registrados de acordo com orientação da Organização Mundial de Saúde (OMS) no endereço www.who.int/ictrp/en/. A OMS considera ensaios clínicos inclusive ensaios preliminares (fase I), qualquer estudo que recrute prospectivamente sujeitos de pesquisa para serem submetidos a intervenções relacionadas à saúde (fármacos, procedimentos cirúrgicos, aparelhos, tratamentos comportamentais, dietas, modificações nos cuidados de saúde) com finalidade d e avaliar os efeitos sobre desfechos clínicos (qualquer variável biomédica ou relacionada à saúde, inclusive medidas farmacocinéticas e efeitos adversos). A revista de Ciências e Inovação Tecnológica em Saúde tem o direito de não publicar estudos clínicos que não estejam de acordo com estes e outros padrões éticos determinados por diretrizes internacionais.

Uso de Siglas:

Siglas ou acrônimos com até três letras deverão ser escritos com maiúsculas (Ex: DOU; USP; OIT). Em sua primeira aparição no texto, acrônimos desconhecidos serão escritos por extenso, acompanhados da sigla entre parênteses. Siglas e abreviaturas compostas apenas por consoantes serão escritas em letras maiúsculas. Siglas com quatro letras ou mais serão escritas em maiúsculas se cada uma delas for pronunciada separadamente (Ex: BNDES; INSS; IBGE). Siglas com quatro letras ou mais e que formarem uma palavra, ou seja, que incluírem vogais e consoantes, serão escritas apenas com a inicial maiúscula (Ex: Funasa; Datasus; Sinan). Siglas que incluírem letras maiúsculas e minúsculas originalmente serão escritas como foram criadas (Ex: CNPq; UnB). Para siglas estrangeiras, recomenda-se a correspondente tradução em português, se for largamente aceita; ou o uso da forma original destaca em itálico, se não houver correspondência em português, ainda que o nome por extenso – em português – não corresponda à sigla. (Ex: OMS = Organização Mundial da Saúde; UNESCO = Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura; MRPII = Manufacturing Resource Planning). Algumas siglas, popularizadas pelos meios de comunicação, assumiram um sentido próprio; é o caso de AIDS = síndrome da imunodeficiência adquirida, sobre a qual o Ministério da Saúde decidiu recomendar que seus documentos a reproduzam como se tratasse de nome de doença, aids’, em letras minúsculas portanto. (Brasil. Fundação Nacional de Saúde. Manual de editoração e produção visual da Fundação Nacional de Saúde. Brasília: Funasa, 2004. 272p.)