Um Efeitos da mobilização precoce em pacientes neurocriticos: uma revisão de literatura
PDF

Palavras-chave

mobilização precoce, cuidados intensivos, deambulação. early mobilization, intensive care, walking. movilización temprana, cuidados intensivos, caminar.

Resumo

 A taxa de sobrevida de pacientes internados em unidades de terapia intensiva (UTI) vem apresentando aumento ao longo dos anos. Isto decorre ao aprimoramento tecnológico e científico que permitem oferecer melhorias na assistência à saúde. O presente estudo tem por objetivo revisar os efeitos e protocolos da mobilização precoce em pacientes neurocríticos na UTI adulto. A busca dos artigos científicos foi realizada por dois pesquisadores nas bases de dados eletrônicos: Pubmed, Physiotherapy Evidence Database, Literatura LatinoAmericana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS). A pesquisa foi realizada de outubro de 2018 a maio de 2019. Foram incluídos estudos intervencionistas (ensaios clínicos, séries de casos, estudo de caso); em população com perfil neurocrítica; pacientes com idade ≥18 anos; que disponibilizem o texto completo. E excluídos estudos com métodos que não descrevesse o protocolo utilizado; experimentos em animais; estudos do tipo revisão, ponto de vista do autor ou opinião do especialista. Foram incluídos 5 estudos que mostram que a realização da mobilização precoce em pacientes neurocríticos na UTI neurointensiva é viável e segura, trazendo repercussões benéficas aos indivíduos.

https://doi.org/10.51909/recis.v2i2.151
PDF

Referências

França EET, Ferrari F, Fernandes P, Cavalcanti R, Duarte A, Martinez BP. Fisioterapia em pacientes críticos adultos: recomendações do Departamento de Fisioterapia da Associação de Medicina Intensiva Brasileira. Revista Brasileira de Terapia Intensiva 2012. 1 (24): 6-22. https://doi.org/10.1590/S0103-507X2012000100003

Adler J, Malone D. Early mobilization in the intensive care unit: a systematic review. Journal Cardiopulm Phys Ther J 2012. 1(23):5-13. PMID: 22807649

Truong AD, Fan E, BrowerRG, Needham DM. Review: Mobilizing patients in the intensive care unit frompathophysiology to clinical trials. Critical Care 2009. 1(13):216. 10.1186/cc7885

Camargo JBG, Cavenaghi OM, Mello JRC, Brito MVC, Ferreira LL. Mobilidade funcional de pacientes críticos em terapia intensiva: um estudo piloto. Revista de Atenção à Saúde 2020. 18(63):14-20. https://doi.org/10.13037/ras.vol18n63.6101

Rivoredo MGAC, Meija D. A cinesioterapia motora como prevenção da Síndrome da Imobilidade Prolongada em pacientes internados em Unidade de Terapia Intensiva. [monografia] Bio Cursos; 2013. http://www.portalbiocursos.com.br/artigos/fisio_ intensiva/.

Miranda FEMH, Dias BCA, Macedo LB, Dias CMC. Eletroestimulação em doentes críticos: uma revisão sistemática. Journal bahiana. 2013. 1(3):79-91. https://www5.bahiana.edu.br/

Conceição TMA, Gonzáles AI, Figueiredo FCXS, Vieira DSR, Bündchen DC. Critérios de segurança para iniciar a mobilização precoce em unidades de terapia intensiva: Revisão sistemática. Revista Brasileira Terapia Intensiva 2017. 4(12):509-519. https://doi.org/10.5935/0103-507x.20170076.

Azevedo PMDS, Gomes BP. Efeitos da mobilização precoce na reabilitação funcional em doentes críticos: uma revisão sistemática. Revista de Enfermagem 2015. 4(5):129-138. http://dx.doi.org/10.12707/RIV14035

Morris PE. Grif FL, Berry M, Thompson C, Hite RD, Winkelman C. Receiving early mobility during an ICU admission is predictor of improved outcomes in acute respiratory failure. The American Journal of the Medical Sciences 2011. 5(3):373-377. 10.1097/MAJ.0b013e31820ab4f6

Dantas CM, Silva PFDS, Siqueira FHTD, Pinto RMF, Matias S, Maciel C, França EET. Influência da mobilização precoce na força muscular periférica e respiratória em pacientes críticos. Revista Brasileira Terapia Intensiva 2012. 2(24):173-178. https://doi.org/10.1590/S0103-507X2012000200013

Mota CM, Silva VG. A segurança da mobilização precoce em pacientes críticos: uma revisão de literatura. Interfaces Científicas - Saúde e Ambiente 2012. 1(1):83-91. https://doi.org/10.17564/2316-3798.2012v1n1p83-91

Vanhorebeek I, Derde A, Berghe GVD. Metabolic aspects of critical illness polyneuromyopathy. Crit Care Med 2009. 10(37):1-9. 10.1097/CCM.0b013e3181b6f01a

Witcher R, Stoerger L, Dzierba AL, Silverstein A, Rosengart A, Brodie D et al. Effect of early mobilization on sedation practices in the neurosciences intensive care unit: a preimplementation and postimplementation evaluation. Journal Crital Care 2015. 2(30):344-7. 10.1016/j.jcrc.2014.12.003

Bahouth MN, Power MC, Zink EK, Kozeniewski K, Kumble S, Deluzio S, Stevens R et al. Safety and feasibility of a neuroscience critical care program to mobilize patients with primary intracerebral hemorrhage. Archives Physical Medicine and Rehabilitio 2018. 99(6): 1220-1225. https://doi.org/10.1016/j.apmr.2018.01.034

Kumble S, Zink EK, Burch M, Deluzio S, Stevens RD, Bahouth MN. Physiological Effects of Early Incremental Mobilization of a Patient with Acute Intracerebral and Intraventricular Hemorrhage Requiring Dual External Ventricular Drainage. Neurocritical Care Society 2017. 27(1):115-119. 10.1007/s12028-017-0376-9

Titsworth WL, Hester J, Correia T, Reed R, Guin P, Archibald L, Mocco J. The effect of increased mobility on morbidity in the neurointensive care unit. Neurosurg 2012. 116(6):1379-1388. 10.3171/2012.2.JNS111881

LOGHORNE P. et al, A Very Early Rehabilitation Trial after stroke (AVERT): a Phase III, multicentre, randomised controlled trial, Health Technology Assessment 2017. 21(50): 1-120. 10.3310/hta21540

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Revista de Ensino, Ciência e Inovação em Saúde