Hanseníase: estudo epidemiológico no município de Juazeiro-BA (2018-2020)

Versões

PDF

Palavras-chave

Hanseníase
Doenças negligenciadas
Epidemiologia Leprosy
Neglected Diseases
Epidemiology

Resumo

Esse estudo teve como objetivo descrever indicadores epidemiológicos e aspectos clínicos dos novos casos de hanseníase no município de Juazeiro-BA. Trata-se de um estudo ecológico, abrangendo o período de 2018 a 2020. Foram notificados em Juazeiro, 374 novos casos. Nota-se uma redução do número de casos ao longo dos anos. Em relação às características coletadas, houve maior frequência entre homens, em níveis de escolaridade mais baixa e entre jovens e adultos. A faixa etária mais acometida foi a de 40 a 59 anos, a zona mais presente foi a urbana, a forma clínica mais identificada foi a dimorfa e o grau de incapacidade física 0 foi o mais predominante. Os dados apresentados neste estudo revelam que os casos novos de hanseníase ocorridos em Juazeiro-BA entre 2018 a 2020 possuem características similares às observadas nacionalmente. Sob o olhar das variáveis analisadas, observa-se uma redução no número de notificações, um enfoque nos indivíduos analfabetos ou com ensino fundamental incompleto, uma predominância na área urbana; e na forma clínica dimorfa pela maior instabilidade. A faixa etária mais vista é a adulta e no que concerne à detecção, é notada uma hiperendemia. O empenho das políticas públicas e inclusivas devem visar a divulgação e elucidação dos casos, na tentativa de solucionar as iniquidades em saúde, tendo em vista a complexidade em curso, o da hiperendemia.

https://doi.org/10.51909/recis.v2i1.93
PDF

Referências

Jardim CP, Santos HLPC, Araújo VMA, et al. Análise da produção científica brasileira sobre hanseníase identificada na base de dados web of science. Umuarama: Arq. Cienc. Saúde UNIPAR. 2020 maio/agosto;24:105-111. https://doi.org/10.25110/arqsaude.v24i2.2020.7709

Souza CDF, Lima RS. Endemia hansênica em menores de 15 anos e a ampliação da Atenção Primária no município em Juazeiro, Bahia: estudo de séries temporais. Rev. APS. 2019 abril/junho;22(2):300-318. https://doi.org/10.34019/1809-8363.2019.v22.15897

Souza CDF, Fernandes TRMO, Matos TS, et al. Grau de incapacidade física na população idosa afetada pela hanseníase no estado da Bahia, Brasil. Acta Fisiatr. 2017 Mar 27;24(1):27-32. https://doi.org/10.5123/S1679-49742020000400006

Loures LF, Mármora CHC, Barreto J, et al. Percepção do estigma e repercussões sociais em indivíduos com hanseníase. Maringá: Psicologia em Estudo. 2016 outubro/dezembro;21(4):665-675. https://doi.org/10.4025/psicolestud.v21i4.30037

Souza EA, Heukelbach J, Oliveira MLWDR, et al. Baixo desempenho de indicadores operacionais de controle da hanseníase no estado da Bahia: padrões espaçotemporais, 2001–2014. Rev Bras Epidemiol. 2020 Mar 09;23:e200019. https://doi.org/10.1590/1980-549720200019

Araújo KMFA, Lana FCF. Relação da hanseníase com a cobertura da estratégia saúde da família e condições socioeconômicas. Ciencia y enfermeria. 2020 Jan 27;26(1). http://dx.doi.org/10.4067/s0717-95532020000100201

Leano HAM, Araújo KMFA, Bueno IC, et al. Fatores socioeconômicos relacionados à hanseníase: revisão integrativa da literatura. Rev Bras Enferm. 2019;72(5):1474-1485. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0651

Santos KCB, Corrêa RGCF, Rolim ILTP, et al. Estratégias de controle e vigilância de contatos de hanseníase: revisão integrativa. Rio de Janeiro: Saúde debate. 2019 abril/junho;43(121):576-591. http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201912122

Ribeiro MDA, Silva JCA, Oliveira SB. Estudo epidemiológico da hanseníase no Brasil: reflexão sobre as metas de eliminação. Rev Panam Salud Publica. 2018;42:e42. https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.42

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Guia prático sobre a hanseníase / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Brasília: Ministério da Saúde; 2017. 68p.:il. Disponível em: < https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/novembro/22/Guia-Pratico-de-Hanseniase-WEB.pdf>

Sousa CRS, Feitosal MCR, Pinheiro ABF, et al. Aspectos epidemiológicos da hanseníase em um município nordestino do Brasil. Rev Bras Promoç Saúde. 2019;32:9469. https://doi.org/10.5020/18061230.2019.9469

Leano HAM. Análise epidemiológica da hanseníase no nordeste brasileiro: vulnerabilidade individual, programática e social. Tese (Doutorado em Enfermagem). Belo Horizonte (MG): Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais; 2019.130p. Disponível em: < https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/30800/1/TESE_HELOISYMEDEIROSLEANO.pdf>

Souza CDF, Medronho RA, Santos FGB, et al. Modelagem espacial da hanseníase no estado da Bahia, Brasil, (2001-2015) e determinantes sociais da saúde. Ciênc. saúde coletiva. 2020 Aug 05;25(8):2915-2926. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232020258.21522018

Rodrigues RN, Leano HAM, Bueno IC, et al. High-risk areas of leprosy in Brazil between 2001-2015. Rev Bras Enferm. 2020;73(3):e20180583. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0583

Souza CDF, Luna CF, Magalhães MAFM. Transmissão da hanseníase na Bahia, 2001-2015: modelagem a partir de regressão por pontos de inflexão e estatística de varredura espacial. Brasília: Epidemiol. Serv. Saúde. 2019;28(1): e2018065. https://doi.org/10.5123/s1679-49742019000100015

World Health Organization (WHO). Global Leprosy Strategy: Accelerating towards a leprosy-free world. World: World Health Organization. 2016. 36 p. Disponível em: < https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/208824/9789290225201-pt.pdf>

Souza EA, Ferreira AF, Pinto MSAP, et al. Desempenho da vigilância de contatos de casos de hanseníase: uma análise espaço-temporal no Estado da Bahia, Região Nordeste do Brasil. Cad. Saúde Pública. 2019;35(9): e00209518. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00209518.

Souza EA, Boigny RN, Ferreira AF, et al. Vulnerabilidade programática no controle da hanseníase: padrões na perspectiva de gênero no Estado da Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2018;34(1): e00196216. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00196216.

World Health Organization (WHO). Organisation mondiale de la Santé. (‎2018)‎. Global leprosy update, 2017: reducing the disease burden due to leprosy. Situation de la lèpre dans le monde, 2017: reduction de la charge de morbidité due à la lèpre. Weekly Epidemiological Record = Relevé épidémiologique hebdomadaire, 93(‎35)‎: 445-456. World Health Organization = Organisation mondiale de la Santé. Disponível em: < https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/274290/WER9335-445-456.pdf?sequence=1&isAllowed=y>

Azevedo YP, Bisco VAS, Oliveira RI, et al. Perfil epidemiológico e distribuição espacial da hanseníase em Paulo Afonso, Bahia. Rev baiana enferm. 2021;35: e37805. http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v35.37805

Souza RG, Lanza FM, Souza RS. Sensibilização dos Agentes Comunitários de Saúde para a atuação nas ações prevenção e controle da hanseníase: relato de experiência. Juiz de Fora: HU Revista. 2018 julho/setembro;44(3):411-415. https://doi.org/10.34019/1982-8047.2018.v44.25621

Vieira NF, Martínez-Riera JR, Lana FCF. Primary care quality and its effects on leprosy monitoring indicators. Rev Bras Enferm. 2020;73(4):e20190038. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2019-0038

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Boletim epidemiológico da hanseníase 2020. Brasília: Ministério da Saúde; Número Especial | jan. 2020. 52 p. Disponível em: < http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2020/boletim-epidemiologico-de-hanseniase-2020>

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Plano integrado de ações estratégicas de eliminação da hanseníase, filariose, esquistossomose e oncocercose como problema de saúde pública, tracoma como causa de cegueira e controle das geohelmintíases: plano de ação 2011-2015. 1. ed., 1. reimpr. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. 100 p.: il. Disponível em: < http://bvs.saude.gov.br/bvs/publicacoes/plano_integrado_acoes_estrategicas_hanseniase.pdf>

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Estratégia Nacional para Enfrentamento da Hanseníase 2019-2022/Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Brasília: Ministério da Saúde, 2019. 109 p.: il. Disponível em: < http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/marco/27/Estrategia-Nacional-CGHDE-Consulta-Publica-27mar.pdf>

Boigny RN, Souza EA, Ferreira AF, et al. Falhas operacionais no controle da hanseníase em redes de convívio domiciliar com sobreposição de casos em áreas endêmicas no Brasil. Epidemiol. Serv. Saúde. 2020;29(4): e2019465. https://doi.org/10.5123/s1679-49742020000400004.

Secretaria de Saúde do estado da Bahia. Diretoria de Vigilância Epidemiológica—Divep Boletim Epidemiológico de Hanseníase/2018. 2018; (1): 1-5. Disponível em: <http://www.saude.ba.gov.br/wp-content/uploads/2017/11/boletimEpidemiogicoHanseniaseAgo2018_n%C2%BA01.pdf>

Fernandes TRMO, Pereira AA, Cardoso LS, et al. The hidden prevalence of leprosy: a comparative study between two Brazilian cities. Rev. Assoc. Med. Bras. 2020 Oct;66(10): 1338-1343. http://dx.doi.org/10.1590/1806-9282.66.10.1338.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.556, de 28 de outubro de 2011. Estabelece mecanismo de repasse financeiro do Fundo Nacional de Saúde aos Fundos de Saúde Estaduais, do Distrito Federal e Municipais, por meio do Piso Variável de Vigilância e Promoção da Saúde, para implantação, implementação e fortalecimento da Vigilância Epidemiológica de Hanseníase, Tracoma, Esquistossomose e Geohelmintíases. Diário Oficial da União. Brasília (DF), 2011 out 11. Disponível em: <http://www.saude.campinas.sp.gov.br/saude/lista_legislacoes/legis_2012/PT-MS-GM-2556_281011.pdf>

Silva JSHA, Mota JC, Silva RS, et al. Descrição dos registros repetidos no Sistema de Informação de Agravos de Notificação, Brasil, 2008-2009. Brasília: Epidemiol. Serv. Saúde. 2016 julho/setembro;25(3):487-498. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742016000300005.

Souza HP, Oliveira WTGH, Santos JPC, et al. Doenças infecciosas e parasitárias no Brasil de 2010 a 2017: aspectos para vigilância em saúde. Rev Panam Salud Publica. 2020;44:e10. https://doi.org/10.26633/RPSP.2020.10

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Cidades e estados: juazeiro. 2020. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/ba/juazeiro.html>

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Cidades e estados: bahia. 2020. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/ba.html>

Giovanella L, Martufi V, Mendoza DCR, et al. A contribuição da atenção primária à saúde na rede SUS de enfrentamento à Covid-19. Scielo preprints, 2020 out 01. https://doi.org/10.1590/SciELOPreprints.1286

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Trata de pesquisas em seres humanos e atualiza a resolução 196. Diário Oficial da União. Brasília (DF), 2012 dez 12. Disponível em: < https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html>

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Nota informativa conjunta nº 01, de 2016 CGHDE/DEVIT/SVS/MS, COSAPI/DAPES/SAS/MS e CGGAB/DAB/SAS/MS. Brasília: Ministério da Saúde, 2016 ag. (1). Disponível em: < https://central3.to.gov.br/arquivo/344609/>

Silva MEGC, Souza CDF, Silva SPC, et al. Epidemiological aspects of leprosy in Juazeiro-BA, from 2002 to 2012. An Bras Dermatol. 2015 Dez;90(6):799-805. http://dx.doi.org/10.1590/abd1806-4841.201533963.

Luna IT, Beserra EP, Alves MDS, et al. Adesão ao tratamento da Hanseníase: dificuldades inerentes aos portadores. Brasília: Rev. bras. enferm. 2010 novembro/dezembro;63(6). https://doi.org/10.1590/S0034-71672010000600018.

Nery JS, Ramond A, Pescarini JM, et al. Socioeconomic determinants of leprosy new case detection in the 100 Million Brazilian Cohort: a population-based linkage study. Lancet Glob Health. 2019 Jul 19; 7:e1226-e1236. https://doi.org/10.1016/S2214-109X(19)30260-8.

Rosa SPS, Medeiros VM, Andrade SRSR, et al. Incidência de hanseníase na Paraíba entre os anos de 2010 a 2014. Rev. Bra. Edu. Saúde. 2016; 6(4):22-26. http://dx.doi.org/10.18378/rebes.v6i4.4615

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Revista de Ensino, Ciência e Inovação em Saúde