Abordagem fisioterapêutica e comprometimento funcional de pacientes no ambiente de terapia intensiva com polineuromiopatia: uma revisão integrativa

Resumo

A polineuromiopatia do paciente crítico é uma complicação comum na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A sepse e a disfunção de múltiplos órgãos são os principais fatores de risco para seu desenvolvimento. O objetivo do estudo foi identificar as abordagens fisioterapêuticas e comprometimento funcional de pacientes no ambiente de terapia intensiva com polineuromiopatia. O estudo é uma revisão de literatura integrativa. Pesquisa realizada nas bases de dados PubMed, Scielo, e Google Acadêmico. A busca dos artigos decorreu-se por intermédio das palavras chaves polineuropatia, cuidados intensivos e sepse, e polyneuropathies, critical care e fisioterapia identificados através do Decs. Foi construído no período de agosto a outubro de 2019. Como critérios de elegibilidade foram escolhidos os trabalhos dos últimos 10 anos de publicação, publicados em português ou inglês, trabalhos relacionados com polineuropatia e que explanassem algum enfoque fisioterapêutico com o tratamento de pacientes internados no ambiente de terapia intensiva. Artigos não condizentes com o tema proposto, com outros tipos de polineuropatia como diagnóstico, do tipo revisão de literatura, pagos e incompletos, foram exclusos.  Observou-se pouco embasamento cientifico a cerca desta complicação, que desenvolve dentro UTI, e escassez de protocolos fisioterapêuticos para este paciente. Contudo, a mobilização precoce foi descrita como um dos métodos terapêuticos mais usados nesses pacientes para sua recuperação. Pacientes criticamente enfermos na UTI com tempo prolongado, são aptos a desenvolverem patologias que aumentam ainda mais seu tempo de internação, agravando mais o seu quadro e piorando o prognóstico sem uma abordagem específica, sendo a abordagem fisioterapêutica de suma importância.

https://doi.org/10.51909/recis.v2i1.75
PDF

Referências

REFERÊNCIAS

Júnior SJ de C. A importância da mobilização precoce em pacientes internados na unidade de terapia intensiva (uti): revisão de literatura. Biológicas & Saúde 2013; 3(10). Disponível em: https://ojs3.perspectivasonline.-com.br/biologicas_e_saude/article/view/74

Vollman KM. Introduction to progressive mobility. Critical care nurse 2010; 30(2):S3-5. Disponível em: https://doi.org/10.4037/ccn2010803

Zamora, VEC, Cruz MR. Polineuromiopatia do paciente crítico: uma revisão da literatura. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto 2013; 12(3):118-129. Disponível em: https://doi.org/10.12957/rhupe.2013.7539

Bolton CF. Neuromuscular manifestations of critical illness. Muscle & Nerve: Official Journal of the American Association of Electrodiagnostic Medicine 2005; 32(2):140-163. Disponível em: https://doi.org/10.1002/mus.20304

Fan E. Critical illness neuromyopathy and the role of physical therapy and rehabilitation in critically ill patients. Respiratory care 2012; 57(6):933-946. Disponível em: https://doi.org/10.4187/respcare.01634

Dantas CM, Silva PF, Siqueira FT, Rodrigo MFP, et al. Influência da mobilização precoce na força muscular periférica e respiratória em pacientes críticos. Revista Brasileira de Terapia Intensiva 2010; 24( 2):173-8. Disponível em: http://dx.doi.org/10.-1590/S0103507X2012000200013

Druschky A t al. Critical illness polyneuropathy: clinical findings and cell culture assay of neurotoxicity assessed by a prospective study. Intensive care medicine março ;27(4):686-693. Disponível em: https://10.0.3.239/s00134010089

Marike VDS, Anita B, Dave AD, et al. Functional status after intensive care: a challenge for rehabilitation professionals to improve outcome. Journal of rehabilitation medicine 2009; 41(5):360-366. Disponível em em: 10.2340 / 16501977-0333

Van DSM, Beelen A, Lucas C, et al. Poor functional status immediately after discharge from an intensive care unit. Disability and rehabilitation 2008; 30(23):1812-18. Disponível em: https://doi.org/10.1080/09638280701673559

Conlon N, Brien B, Herbison GP, et al Long-term functional outcome and performance status after intensive care unit re-admission: a prospective survey. British journal of anaesthesia. 2007 ; 100(2):219-223.Disponível em: https://doi.org/10.1093/bja/aem372

Van DSM; Beelen A;Vos R. Functional outcome in patients with critical illness polyneuropathy. Disability and rehabilitation 2004 ; 26(20):1189-97. Disponível: https://doi.org/10.1080/09638280410001724861

Herridge MS, Cheung AM, Tansey CM, et al. One-year outcomes in survivors of the acute respiratory distress syndrome. New England Journal of Medicine 2003; 348(8):683-693. Disponível em: https://10.1056/NEJMoa022450

Roque KE, Tonini T, Melo ECP. Eventos adversos na unidade de terapia intensiva: impacto na mortalidade e no tempo de internação em um estudo prospectivo. Cad. Saúde Pública 2016; 10:32. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311X00081815

Hough CL, Kenneth PS, Taylor T, et al. Intensive care unit-acquired neuromyopathy and corticosteroids in survivors of persistent ARDS. Intensive care medicine 2009; 35(1):63-8. Disponível em: https://10.1007/s00134-008-1304-4

Schmidt D. Características clínicas do desenvolvimento de polineuromiopatia do doente crítico em uma unidade de terapia intensiva [monografia]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2013. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/71285

Chianca TCM, Guedes HM, Souza KM, et al. Avaliação da Gravidade de Pacientes Internados em Clínicas de um Hospital. Ciencia y enfermeira 2015; 21(3):11-21. Disponível em: http://dx.doi.org-/10.4067/S071795532015000300002

Monteiro MC, Barros LLS, Maia CSF. Fatores de risco associados ao agravamento de sepse em pacientes em Unidade de Terapia Intensiva. Cadernos Saúde Coletiva 2016 ;24(4):7. Disponível em: http://dx.doi.org/-10.1590/1414462x201600040091

Feliciano VA, Albuquerque CG; Andrade FMD, et al. A influência da mobilização precoce no tempo de internamento na Unidade de Terapia Intensiva. Assobrafir Ciência 2012; 3(2):31-42. Disponível em: http://dx.doi.org/10.47066/2177-9333/ac.11702

Dantas CM, Silva PFS, Siqueira FHT, et al. Influência da mobilização precoce na força muscular periférica e respiratória em pacientes críticos. Revista Brasileira de Terapia Intensiva 2010; 24(2):173-8. Disponível em: http://dx.doi.org-/10.1590/S0103507X2012000200013

Matos CA, Meneses JB, Bocoski SCM, et al. Existe diferença na mobilização precoce entre os pacientes clínicos e cirúrgicos ventilados mecanicamente em UTI?. Fisioterapia e Pesquisa 2016; 23(2):124-8. Disponível em: http://dx.doi.-org/10.1590/18092950/13965623022016.

Santos LJZ. Efeitos da Mobilização Precoce na Morfologia Muscular de Pacientes Críticos em Ventilação Mecênica Invasiva na Unidade de Terapia Intensiva. [Tese de Doutorado] Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS; 2015.

Needham DM, Wozniak AW, Hough CL, et al. Risk factors for physical impairment after acute lung injury in a national, multicenter study. American journal of respiratory and critical care medicine 2014; 189(10):1214-24. Disponível em: https://doi.org-/10.1164/rccm.201401-0158OC

Schmidt D, Coelho AC, Vieira FN, et al. Critical illness polyneuromyopathy in septic patients: Is it possible to diagnose it in a bedside clinical examination?. Arquivos de neuro-psiquiatria 2019; 77(1):33-8. Disponível em: https://doi.org/-10.1590/0004282x20180144

Foregato MCL. Impacto do Tempo de Ventilação Mecânica na Capacidade Funcional, Força Muscular e Mortalidade dos Pacientes Internados na UTI de um Hospital Universitário [monografia]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas; 2019. Disponível em: http://repositorio.unicamp-.br/jspui/handle/REPOSIP/333765

Monte ABFO. Fatores Associados à Mortalidade e Tempo de Internação Prolongada em Unidade de Terapia Intensiva de Adultos [monografia]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas; 2018. Disponível em: http://repositorio.unicamp.-br/jspui/handle/REPOSIP/333071

Symeonidou Z, Theodoraki K, Chalkias A, et al. Critical Illness Polyneuropathy (CIP): a multicenter study on functional outcome. Giornale italiano di medicina del lavoro ed ergonomia 2019; 41(1):58-64. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/332628056_Critical_Illness_Polyneuropathy_CIP_a_multicenter_study_on_functional_outcome

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Revista de Ensino, Ciência e Inovação em Saúde