Análise bacteriana em copos umidificadores utilizados na oxigenoterapia em pacientes internados na unidade de terapia intensiva de um hospital universitário
PDF

Palavras-chave

Oxigenoterapia
Umidificadores
Bactérias

Resumo

Introdução: A Unidade de Terapia Intensiva (UTI) é um dos setores hospitalares onde o paciente está mais exposto a situações de risco por infecções, podendo estas serem decorrentes do uso da oxigenoterapia com umidificadores. Objetivo: avaliar o crescimento bacteriano na água em umidificadores utilizados no suporte de oxigênio hospitalar de pacientes internados na UTI de um Hospital Universitário. Material e Métodos: estudo transversal, de observação de resultados de culturas microbiológicas realizadas em água de umidificadores de oxigenoterapia, realizado entre janeiro e junho de 2018. Foram excluídos da amostra umidificadores utilizados em pacientes em uso de ventilação mecânica invasiva ou em pacientes que permaneceram internados no setor por um período ≤ 24 horas. A primeira amostra foi coletada logo após a instalação da oxigenoterapia, sendo colhidas com intervalo de 24 horas entre uma amostra e outra, até o momento da suspensão do uso do oxigênio e/ou até o momento da alta do paciente da UTI, o que acontecesse primeiro. Foram coletados 3mL da água contida nos umidificadores, para análise no laboratório do HU-UNIVASF. Resultados: Foram coletadas 110 amostras. O número de amostras por paciente foi variável, pois cada paciente utilizou a oxigenoterapia ou permaneceu no setor por períodos diferentes. Das 110 amostras analisadas, apenas duas apresentaram crescimento bacteriano identificadas como Acinetobacter baumanni. Conclusão: Observou-se que não houve crescimento de colonização bacteriana na maioria das análises de água de umidificadores de oxigênio utilizados na UTI, permitindo-nos inferir que seu uso na população estudada é seguro.

Palavras chaves: Oxigenoterapia; Umidificadores; Bactérias.

https://doi.org/10.51909/recis.v1i1.63
PDF

Referências

O’brien TF, Stelling J. Integrated Multilevel Surveillance Of The World’s Infecting Microbes And Their Resistance To Antimicrobial Agents. Clinical Microbiology Reviews. 2011; 24(2): 281–295.

Otter JA, Yezli S, francês GL. O papel desempenhado pelas superfícies contaminadas na transmissão de agentes patogénicos nosocomiais. Infect Controlo Hosp Epidemiol. 2011; 32: 687-699.

Behnia M, Logan SC, caído L, Catalano P. Hospitalar e pneumonia associada à ventilação mecânica em uma unidade de cuidados intensivos do hospital da comunidade: uma revisão retrospectiva e análise. BMC Research Notes. 2014; 7: 232-232.

Climo MW, Yokoe DS, Warren DK, Perl TM, Bolon M, Herwaldt LA.

Effect of daily chlorhexidine bathing on hospital-acquired infection. The New England Journal of Medicine. 2013; 368(6): 533-542.

Hartmann RCB, Kakitani DH, Sawada AY. A prevalência bacteriana de colonização versus infecção de pacientes internados em UTI’S. Revista Uningá. 2018; 55(S1): 97-105.

Oliveira AC, Paula AO, Iquiapaza RA, Lacerda ACS. Infecções relacionadas à assistência em saúde e gravidade clínica em uma Unidade De Terapia Intensiva. Revista Gaúcha de Enfermagem. 2012; 33(3):89-96.

Rello J, Diaz E. Pneumonia na unidade de cuidados intensivos. Crit Care Med. 2003; 31: 2544-2551.

Lago AP, Infantini RM, Rodrigues H. Fisioterapia Respiratória Intensiva. 1.ed.São Paulo: CBBE Editora; 2010.

Dres M, Demoule A. O que todo intensivista deve saber sobre oxigenoterapia nasal de alto fluxo em pacientes críticos. ver Bras Ter Intensiva. 2017; 29(4): 399-403.

Wilkins RL, Stoller JK, Kacmarek RM. Egan Fundamentos Da Terapia Respiratória. 9 ed. Rio de Janeiro: Elsevier Brasil Editora; 2009.

Dellweg D, Wenze M, Hoehn E, Bourgund O, Haid lP. Humidification of Inspired Oxygen Is Increased With Pre-nasal Cannula, Compared to Intranasal Cannula. Respiratory Care. 2013; 58(8): 1323-1328.

Luiz SO. Caracterização da resistência de amostras de Acinetobacter Baumannii isoladas no Hospital de Clínicas de Curitiba [Dissertação]. Curitiba: Faculdade de Ciências Biológicas, Universidade Federal do Paraná – UFP; 2006.

Howard A, O’Donoghue M, Feeney A, Sleator RD. Acinetobacter baumannii: an emerging opportunistic pathogen. Virulence. 2012; 3(3):243-50.

Oliveira AC, Damasceno QS. Superfícies do ambiente hospitalar como possíveis reservatórios de bactérias resistentes: uma revisão. Rev Esc Enferm USP. 2010; 44(4):118-23.

Peleg AY, Seifert H, Paterson DL. Acinetobacter baumannii: Emergence of a Successful Pathogen. Clin Microbiol Rev. 2008; 21(3): 538-582

Cabral EV, Poveda VB. Perfil microbiológico e resistência bacteriana em unidade de tratamento intensivo. J Nurs UFPE on line. 2008 out./dez.; 2(4):357-64.

Canton R, Alos JI, Martínez LM, Estape, JV. Atlas do antibiograma. Grupo Gemara, Biomeriux University Edition, 2009.

Tenover FC. Mechanisms of antimicrobial resistance in bacteria. The American journal of medicine. 2006; 119(6):62-70.

Fauci VL, Costa GB, Facciolà A, Conti A, Riso R, Squeri R. Humidifiers for oxygen therapy: what risk for reusable and disposable devices? Journal Of Preventive Medicine And Hygiene. 2017; 58(2): E161.

Seabra ER, Botelho FF, Dario EMR, Silva RB, Chavasco JK. Avaliação da qualidade microbiológica da água utilizada nos umidificadores em oxigenoterapia. Revista da Universidade Vale do Rio Verde. 2012; 10(1): 147-155.

Yamashita K, Nishiyama T, Yokoyama T, Abe H, Manabe M. A comparison of the rate of bacterial contamination for prefilled disposable and reusable oxygen humidifiers. J Crit Care. 2005; 20(2): 172-175.

Kobayashi N, Yamazaki T, Oka Y, Yamaguchi T, MAESAKI S. Bacterial propagation in reusable water reservoirs in a humidified oxygen supply system. J Infect Chemother.2006; 12(3): 160.

Belotti L, Lambert S, Allaham B, Foegle J, Hernandez C, Mechkour S. et al. Reuse of a single-use sterile device: Example of prefilled sterile humidifiers. J Hosp Infect. 2010;(1) 76.

Jeong HC, Lee YJ, Kim MJ, Jeong SG. A study on pollution of prefilled oxygen humidifiers when applied to multiple patients in emergency room. ASTL. 2014; 61(10): 57-61.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Revista de Ensino, Ciência e Inovação em Saúde