Benefícios da ginástica laboral no contexto hospitalar
PDF

Palavras-chave

Exercício físico. Saúde ocupacional. Monitores de atividade física.

Resumo

A Ginástica Laboral é o tipo de ginástica realizada no ambiente de trabalho. Seu objetivo é melhorar a saúde e evitar doenças ocupacionais com exercícios de curta duração. O presente estudo teve por objetivo identificar os benefícios da Ginástica Laboral (GL) para os funcionários do Hospital Universitário da Universidade Federal do Vale do São Francisco (HU-UNIVASF), Petrolina/PE em relação a qualidade de vida no trabalho e nível de atividade física. A amostra foi constituída por 160 funcionários, com idade acima de 18 anos. A amostra foi dividida em dois grupos: os que participaram da GL e os que não participaram da GL. Os participantes responderam os questionários de Qualidade de Vida no Trabalho e Nível de Atividade Física e participaram da intervenção de prática de GL, durante 30 semanas. A GL não apresentou diferença significativa em relação a Qualidade de Vida no Trabalho (QVT). A função exercida pelo empregado afetou a QVT. A diferença de distribuição no nível de atividade física apresentou diferença estatisticamente significativa. Os resultados indicaram maiores índices de QVT para os muito ativos em todos os domínios, com 12,5% a mais no físico/saúde. O conjunto dos resultados permitiu concluir que os funcionários assistenciais demonstraram pior QVT em comparação com os da área administrativa. Em relação ao nível de atividade física os muito ativos obtiveram maiores índices de QVT

https://doi.org/10.51909/recis.v1i1.57
PDF

Referências

Enriquez E. O homem do século XXI: sujeito autônomo ou individuo descartável. Rev. ERA-eletrônica 2006; 5(1).

OMS. Promoción de la salud. Glossario. Genebra: OMS; 2010.

PUC-SP. Evolução da produtividade. Disponível em: http://www.pucsp.br/~diamantino/Ind.pdf. Acesso em 05 de março de 2018.

Hipólito MCV, Masson VA, Monteiro MI et al. Quality of working life: assessment of intervention studies. Rev Bras Enferm [Internet] 2017; 70 (1):178-86. DOI: http://dx.doi.org/ 10.1590/0034-7167-2015-0069.

Oliveira JTG. A prática da ginástica laboral. 3ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2006. Disponível em: https://books.google.com.br/books?hl=ptBR&lr=&id=iawbCgAAQBAJ&oi=fnd&pg=PP44&dq=pr%C3%A1tica+d a+gin%C3%A1stica+laboral+OLIVEIRA+2006&ots=LwevLybX&sig=gFQgv9A4SJKrfOvTI81m0xQGJv8#v=one page&q=pr%C3%A1tica%20da%20gin%C3%A1stica%20laboral%20OLIVEIRA%202006&f

Pinto ACC, Souza RCP. A Ginastica Laboral como ferramenta para a melhoria da qualidade de vida no setor de cozinha em restaurantes. Internet: www.eps.ufsc.br. 2014.

Silva HM, Santos HCA, Penido MAS, Pinto WS. Ginástica laboral como qualidade de vida no trabalho: estudo exploratório em uma fazenda. Rev Acad Feol 2016; 1.

Alves S, Vale A. Ginástica laboral, caminho para uma vida mais saudável no trabalho. Rev CIPA, 1999; 232: 30-44.

Dias AG, Silva IAS, Silva VF, Beltrão FB. The contribution of a program of labor gymnasties for adhesion to physical exercise outside the word day. Fitness & Performance Journal, 2006; 5(5): 325-32. Disponível em: http://www.cdof.com.br/artigo%20Gin%E1stica%20Laboral%20Adelar%20e%20Jo%E3o.pdf. Acesso em 07 out. 2016.

Maciel, R. H., Albuquerque, A. M. F. C., Melzer, A. C., & Leônidas, S. R. (2005). Quem se beneficia dos programas de ginástica laboral? Cadernos Psicologia Social Trabalho, 8, 71-86. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v8i0p71-86.

Trentini L, Santos AJ, Batiz ED, Duarte MAT. Qualidade de vida em uma empresa têxtil: Levantamento do nível de satisfação dos funcionários. Espacios 2016; 37(7).

Cheremeta M, Pedroso B, Pilatti LA, Kovaleski JL. Construção da versão abreviada do QWLQ-78: um instrumento de avaliação da qualidade de vida no trabalho. Rev Bras Qualidade de Vida 2011; 3(1), jan./jun.

EBSERH. Programa de ginástica laboral HC-YFTM. Disponível em: http://www.ebserh.gov.br/web/hc-uftm/programa-de-ginastica-laboral. Acesso em: 05 de maio de 2018.

Matsudo VKR, Barros Neto, TL. Efeitos benéficos da atividade física na aptidão física e saúde mental durante o processo de envelhecimento. Rev Bras Ativ Fís 2000; 5(2). https://doi.org/10.12820/rbafs.v.5n2p60-76.

Matsudo SM, Araújo T, Matsudo V et al. Qustionário internacional de atividade física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Ativ Fis Sal 2001; 6(2). DOI: https://doi.org/10.12820/rbafs.v.6n2p5-18 em:

Pedroso B, Pilatti LA. Avaliação de indicadores da área da saúde: a qualidade de vida e suas variantes. Revista eletrônica FAFIT/FACIC 2010; 1(1): 1-9, jan./jun. Disponível em: http://www.fafit.com.br/revista/index.php/fafit/article/view/2. Acesso em: 16 out. 2016.

Tahara A, Shwart G, Silva K. Aderência e manutenção da prática de exercício em academias. Rev. Bras. Ciências e movimento 2003; 11 (4): 7-11.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Revista de Ensino, Ciência e Inovação em Saúde